Bem-vindo à Universidade Falada AUDIOLIVROS

  • Meu carrinho

    Seu carrinho de compras esta vazio

    Você não tem itens no seu carrinho de compras.

O Banqueiro Anarquista

Dê Sua Opinião Sobre o Produto

Audiolivro


Publicado em 1922, 'O Banqueiro Anarquista', uma espécie de conte philosophique, ou 'conto de raciocínio' como denominava o autor, obra ainda hoje muito pouco lida e pouco analisada.


Trata-se de um diálogo botequinesco entre um personagem anônimo e um ex-operário, também anônimo, que se tornou banqueiro, apresentado desde o início como 'um grande comerciante e açambarcador notável'. No diálogo, o banqueiro narra seu processo de formação, procurando demonstrar logicamente porque é realmente 'anarquista' na teoria e na prática.


Trata-se, assim, de um conto sobre razões da ação prático-moral, em que desfilam inteligência e dissimulação, lógica e disfarce. O Banqueiro Anarquista - Conto de Fernando Pessoa, em audiolivro mp3 para download


Audiolivro em mp3

R$14,89

O Banqueiro Anarquista audio livro audio livros  audio book audio books  audio-livro  audio-livros Zoom

MP3
R$14,89

Detalhes

Audiolivro

Publicado em 1922, "O Banqueiro Anarquista", uma espécie de conte philosophique, ou "conto de raciocínio" como denominava o autor, obra ainda hoje muito pouco lida e pouco analisada.

Trata-se de um diálogo botequinesco entre um personagem anônimo e um ex-operário, também anônimo, que se tornou banqueiro, apresentado desde o início como "um grande comerciante e açambarcador notável". No diálogo, o banqueiro narra seu processo de formação, procurando demonstrar logicamente porque é realmente "anarquista" na teoria e na prática.

Trata-se, assim, de um conto sobre razões da ação prático-moral, em que desfilam inteligência e dissimulação, lógica e disfarce. Para a consciência esclarecida do Banqueiro, tal como para os filósofos e economistas do século das Luzes, a dominação social é assumida como mera fiction sociale, estranha à Natureza. Para ele, dinheiro, Estado, religião, família etc. são nada mais que normas arbitrárias que mascaram e dominam a verdadeira vida natural. Na vida natural, os homens tornam-se iguais e livres de todas as tiranias sociais.

Defendendo este princípio de modo puro e intransigente, ele pode recusar tudo aquilo que não lhe seja compatível. Algumas falas do banqueiro parecem contraposições diretas ao Manifesto Comunista de Marx & Engels (a recusa da "ditadura do proletariado" como apenas mais um "despotismo militar" que só pode gerar uma "sociedade guerreira do tipo ditatorial"); e é com rigor lógico que vários motivos anarco-comunistas vão sendo conseqüentemente apresentados – mas tudo construído sistematicamente para ser destruído no fluxo discursivo.

Com efeito, a verve anárquica do banqueiro é, através de uma coerência lógica sistemática, algo totalmente iconoclasta, até o ponto de conduzi-lo ao completo isolamento, à maneira do anarquismo individualista de "O único e sua propriedade" de Max Stirner. É verdade, diz ele, que somente uma revolução social pode superar efetivamente a opressão, mas, na prática concreta, até mesmo os pequenos grupos anarquistas, sem muita influência, produzem novas formas de tirania, acrescentando-as às já existentes:

"Uns mandavam em outros e levavam-nos para onde queriam; uns impunham-se a outros e obrigavam-nos a ser o que eles queriam; uns arrastavam outros por manhas e por artes para onde eles queriam. Não digo que fizessem isto em coisas graves; mesmo, não havia coisas graves ali em que o fizessem. Mas o fato é que isto acontecia sempre e todos os dias, e dava-se não só em assuntos relacionados com a propaganda, como fora deles, em assuntos vulgares da vida. Uns iam insensivelmente para chefes, outros insensivelmente para subordinados". (Adaptado do texto de Cláudio R. Duarte)

Audiolivro em mp3

Informações adicionais

Título O Banqueiro Anarquista
Autor Fernando Pessoa
Editora Universidade Falada
Áudio Narração Profissional
Locução Não
Tempo de duração 1 hora e 20 minutos
Audiolivro em MP3 - para download
Classificação Ótimo
Preço R$14,89

Fernando Pessoa


Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples.
Tem só duas datas - a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra todos os dias são meus.

Fernando Pessoa/Alberto Caeiro; Poemas Inconjuntos; Escrito entre 1913-15; Publicado em Atena nº 5, Fevereiro de 1925

Saiba mais
Ver todos produtos deste autor

Queremos saber sua opinião

Somente usuario registrados podem comentar. Por favor, faça login ou registre-se

Tags do Produto

Tags adicionadas por outros clientes:

Use espaços para separar as Tags. E aspas simples (') para frases.