Bem-vindo à Universidade Falada AUDIOLIVROS

  • Meu carrinho

    Seu carrinho de compras esta vazio

    Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Discutindo a Ilíada - Parte 2

Dê Sua Opinião Sobre o Produto

PARTE 2 DO ÁUDIOLIVRO

A pergunta sobre a origem de Homero é objeto de grande discussão há séculos.
R$9,98

Discutindo a Ilíada - Parte 2 Zoom

MP3
R$9,98

Detalhes

PARTE 2 DO ÁUDIOLIVRO

A pergunta sobre a origem de Homero é objeto de grande discussão há séculos.

Não é possível precisar se foi um ou vários autores quem escreveu a Ilíada e a Odisséia. O que se sabe com certeza é que o nome Homero, significa "aquele que não vê". Mas esta era a designação que se dava a todos os Aedos, que eram aqueles educados para transmitirem a tradição sagrada.

Eram normalmente cegos de nascença e grandes iniciados na tradição profética de Apolo: "Cegos para a luz, eles vêem o invisível", dizia uma inscrição em Delfos. Eram verdadeiras “bíblias vivas", uma vez que a tradição sagrada não podia ser transmitida sendo oralmente, sendo a escrita proibida, embora fosse muito bem conhecida; estava reservada aos textos laicos, sendo Homero dos primeiros que registrou esta tradição secular na forma escrita.

Hesíodo também o fez e há quem afirme que foi antes mesmo de Homero. (veja "A Teogonia" e os "Trabalhos e os Dias", que também tem um caráter bíblico).

Além disso, o nome "Tirésias" também designava um Aedo, não sendo um nome próprio também, erro praticado por muitos autores.


Podemos concluir então:

1- É irrelevante se existiu ou não e se foi um ou vários. O que importa é a beleza e profundidade extraordinárias das obras. Trata-se de uma discussão acadêmica e tola - própria dos círculos universitários - do tipo das teses que pesquisam o comportamento de um fio de cabelo na casca do ovo.

2- Homero e Tirésias não são nomes próprios, mas atributos dos aedos, podendo designar qualquer Aedo. É inútil, portanto, procurar quem foi quem. Quem quer que tenha sido Homero, jamais saberemos seu verdadeiro nome, pois não era costume revelá-lo, ao contrário, era interdito, pois um profeta de Apolo não tinha nome próprio; era o deus aqui na terra.

3- Mais importante: A modernidade, em sua obtusa erudição acadêmica, transformou estas obras sagradas e bíblicas em mera literatura, perdendo o que elas têm de mais precioso: seu poder educacional e formador ético; seu conteúdo iniciático e alquímico e a chance de a partir delas educar o jovem de hoje para torná-lo uma “obra de arte ética e criadora".

A educação hoje forma animais consumistas, gananciosos e competidores selvagens e aéticos.
Que desperdício para a modernidade, não é?

Informações adicionais

Título Discutindo a Ilíada - Parte 2
Autor Viktor D. Salis
Editora Universidade Falada
Áudio Narrado pelo Autor
Locução Não
Tempo de duração 50 minutos
Audiolivro em MP3 - para download
Classificação Muito Bom
Preço R$9,98

Viktor D. Salis


VIKTOR D. SALIS nasceu em Atenas-Grécia.Formou-se em Psicologia em 1971 pela Puc-SP e estudou Epistemologia Genética com Jean Piaget em Genève-Suiça, onde completou seu primeiro doutorado em 1977, voltado ao desenvolvimento ético e social da criança e do adolescente.

Em 1981 estudou “A ética dos mitos da Paidéia na formação do homem grego na Antigüidade” com Igor Caruso na Universidade de Salzburg, obtendo seu segundo doutorado.

Saiba mais
Ver todos produtos deste autor

Queremos saber sua opinião

Somente usuario registrados podem comentar. Por favor, faça login ou registre-se

Tags do Produto

Tags adicionadas por outros clientes:

Use espaços para separar as Tags. E aspas simples (') para frases.